press to zoom
press to zoom
f34.jpg
f34.jpg
press to zoom
f25.jpg
f25.jpg
press to zoom
f24.jpg
f24.jpg
press to zoom
f21.jpg
f21.jpg
press to zoom
f22.jpg
f22.jpg
press to zoom
f19.jpg
f19.jpg
press to zoom
f16.jpg
f16.jpg
press to zoom
f14.jpg
f14.jpg
press to zoom
f12.jpg
f12.jpg
press to zoom
f13.jpg
f13.jpg
press to zoom
f01.jpg
f01.jpg
press to zoom
f03.jpg
f03.jpg
press to zoom
f46.jpg
f46.jpg
press to zoom

DOR

 

Curadoria:

Eulâmpio

 

Local: Galeria e Oficina de Arte Solo

Centro Cultural Zarinha - João Pessoa/PB

 

Abertura: 05/06/2008, 19h

Exposição: 05/06 a 21/06/2008

 

TextoA amostra “DOR” aborda alguns aspectos da Dor dos homens. Não a Dor física, mas a Dor da humanidade; a Dor pungente, das entranhas do cérebro, a qual se apodera de nós como um polvo e comprime, com seus tentáculos, nossos neurônios. Esta é minha Dor, sua Dor, nossa Dor, que nos contagia e nos faz ser gente; a Dor sem remédio, cuja cura deixamos a cargo do tempo. Dor “humana” por estar diretamente ligada ao desenvolvimento, na nossa espécie, da percepção do mundo e de nós. Dor “humana” gerada por nós e contra nós mesmos, como forma de castigos ou cobranças. Esta Dor de efeitos devastadores, da qual, na maioria das vezes, tentamos, em vão, fugir. Dores, em determinadas ocasiões, necessárias ao nosso crescimento; Dores que sublimam em criações.