DSC_0035.JPG
DSC_0035.JPG
press to zoom
DSC_0036.JPG
DSC_0036.JPG
press to zoom
DSC_0039.JPG
DSC_0039.JPG
press to zoom
DSC_0040.JPG
DSC_0040.JPG
press to zoom
DSC_0041.JPG
DSC_0041.JPG
press to zoom
DSC_0042.JPG
DSC_0042.JPG
press to zoom
DSC_0045.JPG
DSC_0045.JPG
press to zoom
DSC_0046.JPG
DSC_0046.JPG
press to zoom
DSC_0047.JPG
DSC_0047.JPG
press to zoom
DSC_0048.JPG
DSC_0048.JPG
press to zoom
DSC_0049.JPG
DSC_0049.JPG
press to zoom
DSC_0054.JPG
DSC_0054.JPG
press to zoom
DSC_0053.JPG
DSC_0053.JPG
press to zoom
DSC_0052.JPG
DSC_0052.JPG
press to zoom
DSC_0051.JPG
DSC_0051.JPG
press to zoom

TRANSGRESSÕES CAPITAIS

 

Curadoria:

Lúcia França

 

Local: ESTAÇÃO CABO BRANCO

Ciência, Cultura e Artes - João Pessoa/PB.

 

Abertura: 01/09/2011, 19h

Exposição: 01/09 a 20/09/2011

 

TextoAs várias formas de violência são uma das piores facetas da humanidade. Elas estão representadas por atos maléficos dos mais diferentes tipos e graus de severidade. Por mais que tenhamos galgado patamares elevados na compreensão do mundo e de nós mesmos, ainda pairamos no círculo de atrocidades cometidas aos nossos semelhantes. A referida temática dá continuidade ao meu trabalho e à minha visão do artista plástico, sendo este não apenas um artesão do belo, mas, e muito mais, um filósofo da forma, cuja capacidade de ver e sentir o mundo é demonstrada por imagens que mostram/denunciam as atrocidades e aberrações sociais; não podendo, de modo algum, ficar calado ou fechar os olhos para a realidade que nos cerca. É o homo homini lupus/ Devorando as entranhas/ Em uma fome canibalesca/ Luta de "bom" e de "mau"/ Sugando a seiva da aspiração à vida/ Abutres que se lançam indiscriminadamente/ Nos olhos, lingua e ânus/ Rasgando a carne e o figado/ Espalhando a bile colérica/ Pelos ares contaminadores/ Virus humano/ Contra o qual ainda não hã remédios.